pastas compartilhadas

Como montar pastas de rede compartilhadas no Linux de 3 formas distintas.

Fala Jovens! Rafa falando. Hoje neste artigo vamos tratar de uma vez por todas como realizar mapeamentos de pastas compartilhadas, tanto de Windows para Linux quanto de Linux para Linux. Vou demostrar de maneira fácil e intuitiva as formas de realizar tal procedimento além da melhor prática é claro.



CONSIDERAÇÕES

Vou levar em consideração que já possua alguma vivência em Linux e que está exclusivamente necessitando mapear aquela unidade de rede marota que não mapeia nem por reza braba.



INTRODUÇÃO

Vamos a principio tratar de três tipos diferentes de montagem.

mount – Comando usado para montar um determinado ponto de montagem na unha, toda vez que precisar.

/etc/fstab – Colocar o ponto de montagem para montar automaticamente ao inicializar o sistema.

SystemD – O queridinho, colocar o ponto de montagem para montar automaticamente ao inicializar o sistema de forma elegante.



1) Comando Mount

Se você está em uma rede com domínio e deseja realizar o mapeamento de uma pasta compartilhada de uma máquina ou servidor da rede, é possível realizar tal façanha utilizando o comando mount como ilustrado abaixo:

				
					mount -t cifs <ORIGEM> <DESTINO> -o user=<USUARIO>,password=<SENHA>,domain=<DOMINIO>
				
			

Explicação:

mount: Comando utilizado para realizar montagens no Linux.

-t: Tipo de montagem. No nosso exemplo para acessar as pastas compartilhadas no Windows, utilizamos o tipo cifs.

origem: O caminho de origem do compartilhamento de rede. Ex: //maquina01/publico ou //192.168.50.3/publico.

destino: O ponto de montagem onde será montado o compartilhamento Ex: /mnt/backup.

-o: Parâmetro utilizado para passar outras opções ao comando mount como por exemplo:

user: Nome do usuário do domínio que tem permissão de leitura e gravação na pasta de origem compartilhada.

password: Senha do usuário informado.

domain: Nome do Domínio em que a máquina de origem esta inserida.

				
					mount -t cifs //192.168.50.3/publico /mnt/backup/ -o user=<USUARIO>,password=<SENHA>,domain=<DOMINIO>
				
			


2) /etc/fstab

Nós também temos a possibilidade de utilizar uma montagem automática utilizando o arquivo de configuração /etc/fstab. Para isso, podemos inserir as informações no arquivo como exemplificado abaixo:

				
					<ORIGEM> <DESTINO> cifs users,username=<USUARIO>,password=<SENHA>,domain=<DOMINIO>,dir_mode=0777,file_mode=0777 0 0
				
			

Explicação:

origem: O caminho de origem do compartilhamento de rede. Ex: //maquina01/publico ou //192.168.50.3/publico.

destino: O ponto de montagem onde será montado o compartilhamento Ex: /mnt/backup.

cifs – Tipo de montagem.

users: Tipo de opção utilizado para informar usuário e senha.

username: Nome do usuário do domínio que tem permissão de leitura e gravação na pasta de origem compartilhada.

password: Senha do usuário informado.

domain: Nome do Domínio em que a máquina de origem está inserida.

dir_mode: Opção utilizada para dar permissão na pasta utilizada no ponto de montagem.

file_mode: Opção utilizada pra dar permissão a arquivos utilizando o ponto de montagem.

Exemplo:

				
					//192.168.50.3/publico /mnt/backup cifs users,username=rafael,password=senha,domain=oliveira.com,dir_mode=0777,file_mode=0777 0 0
				
			

Uma maneira mais elegante é esconder o login e senha para não ficar passando no parâmetro, melhorando assim a segurança. Para isso, crie um arquivo dentro da pasta do root, onde somente ele terá acesso, e dentro deste arquivo (podendo ter qualquer nome), preencha como ilustrado abaixo:

				
					username=usuario
password=senhausuario
domain=seudominio.se.existir
				
			

OBS: Caso ambas as máquinas (quem compartilha e quem acessa) estiverem no domínio, assim como o usuário utilizado para o acesso, podemos ignorar a opção domínio no arquivo. Agora se só quem compartilha pertencer ao domínio, assim como o usuário utilizado para o acesso, precisaremos informar a que domínio o mesmo pertence, sendo necessário então informar o domínio no arquivo.

				
					//192.168.50.3/publico /mnt/backup cifs credentials=/root/.secret,dir_mode=0777,file_mode=0777           0 0
				
			


3) SystemD

O SystemD é de longe a melhor opção para se realizar mapeamentos dentro dos sistemas Linux, através de uma target, é possível  definir parâmetros e fazer o que quisermos. Neste caso, mapear uma pasta compartilhada.

Para trabalharmos com SystemD, precisamos então criar um arquivo do tipo .mount, este arquivo ficará responsável por realizar a nossa montagem. 

Podemos criar este arquivo em três locais:

/run/systemd/system/ – Diretório utilizado pelo sysinit “SystemD” para armazenar arquivos de configuração de unidades “Targets” do sistema em tempo de execução. Os arquivos neste diretório tem prioridade sobre os diretório “/lib/systemd/system/”.

/lib/systemd/system/ – Diretório utilizado pelo sysinit “SystemD” para armazenar uma cópia dos arquivos de unidade “Targets” do sistema. São arquivos genéricos de unidade que podem ser substituídos.

/etc/systemd/system/ – Diretório utilizado pelo sysinit “SystemD” para armazenar arquivos de configuração de unidades “Targets” do sistema. Os arquivos deste diretório tem precedência sobre outros locais de configuração de unidades “Targets” do sistema.

Iremos utilizar nossa terceira opção para criarmos nosso arquivo conforme ilustrado abaixo:

				
					[Unit]
Description=Monta pasta compartilhada.

[Mount]
What=//192.168.50.3/publico
Where=/mnt/backup
Type=cifs
Options=credentials=/root/.secret,dir_mode=0777,file_mode=0777,vers=2.0

[Install]
WantedBy=multi-user.target
				
			

Neste exemplo vamos criar o arquivo dentro da opção “/etc/systemd/system” com o nome “mnt-backup.mount”. Após criarmos o arquivo será necessário realizar a atualização da daemon, para que nossa target seja reconhecida pelo SystemD e consequentemente pelo comando systemctl. Para isso, execute o comando como ilustrado abaixo:

				
					systemctl daemon-reload
				
			

OBS: E necessário que o arquivo tenha o mesmo nome do ponto de montagem neste exemplo o ponto de montagem é: “/mnt/backup” então o nome do arquivo deverá ser “mnt-backup.mount”

Feito isso agora é possível realizar a montagem com o comando:

				
					systemctl start mnt-backup.mount
				
			

Repare que agora é possível controlar o ponto de montagem com os comandos do systemctl, como por exemplo o stop e status etc.


 

CONCLUSÃO

Através deste artigo foi possível de maneira definitiva como é fácil realizar montagem de pasta compartilhada no Linux. Abordamos aqui três maneiras diferentes com intuito de atingir o objetivo final

Se você gostou deste post e através dele pude lhe ajudar, o que acha de aproximarmos nosso contato? Siga meu blog, twitter, youtube e me adicione no Linkedin, aproveite para classificar algumas das minhas competências/recomendações, este simples gesto faz toda a diferença.

Att,
Rafael Oliveira
SysAdmin

Você pode compartilhar esse artigo.

Siga o Blog Via E-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 46 outros assinantes

Sobre o Autor

Rafael Oliveira Maria - Linux

Rafael Oliveira

Bacharel em Sistemas de Informação, SysAdmin, Professor, Blogueiro e Entusiasta Linux.

Certificados:

LPIC-1-Large
LPIC-2
LinuxPlus Logo Certified
itil-foundation-digital-badge

Gostou do conteúdo? Ajude-me a manter o blog.

PicPay - Linux

Aceitamos pagamentos e doações via PicPay link picpay.me/rafaeloliveimar

Ficou com dúvida? Alguma Sugestão ou Elogio? Deixe seu comentário!